Com a competitividade de mercado acirrada, ninguém deseja perder vendas. O marketing digital tem como propósito ajudar as empresas nesse intuito, trabalhando para manter a marca na mente do público pelo maior tempo possível. A área se reinventa a cada ano, com novas ferramentas e abordagens — e o retargeting é uma delas.

Se por um lado esse dinamismo torna a rotina dos profissionais mais estressante, por outro, proporciona ao negócio oportunidades constantes e um alcance até então impossível nos meios tradicionais. Assim, aumentam as chances de fidelizar esses clientes e gerar mais vendas.

Confira, a seguir, como a estratégia funciona e como ela pode ajudar você a elevar a receita de sua organização.

O que é retargeting?

Utilizando uma tradução livre, fazer retargeting é mirar novamente no mesmo alvo. Aplicado ao marketing de negócios, são ações que impactem novamente uma pessoa que já teve contato com a empresa. A tentativa de venda é adaptada conforme o interesse e perfil de cada cliente.

Uma loja pode receber centenas de visitantes ao longo do dia. Alguns, passarão horas olhando, pedirão diversos produtos, mas sairão de lá com as mãos vazias. Isso é normal, e o comerciante sabe disso. Entretanto, seu desejo seria encontrar essa pessoa novamente, oferecendo novas razões para ela comprar. No universo digital, o retargeting é a maneira de tornar isso possível.

O retargeting utiliza cookies que ficam armazenados no dispositivo dos usuários, coletando dados de navegação. Com essas informações, o sistema de dados consegue separar os futuros compradores em listas diferentes e os direciona para ações publicitárias mais adequadas ao estágio do funil de vendas em que se encontram.

Por exemplo: quem acessou o site, navegou por muito tempo e escolheu um produto, mas, abandonou o carrinho, é direcionado para propagandas com frete grátis. É possível, também, encaminhar um e-mail, relembrando-o do item escolhido e incentivando-o a concluir a compra.

Além de sua função de reengajamento, o retargeting também pode ajudar na prospecção de novos públicos e na melhora do alcance digital da marca, oferecendo conteúdos para aqueles que interagiram em qualquer canal ou rede social da empresa.

Diferenças entre remarketing e retargeting

Os nomes são parecidos, e a diferenciação dos dois conceitos pode parecer um pouco confusa a princípio. Na verdade, as estratégias possuem a mesma finalidade — a de alcançar novamente um público —, mas suas aproximações são bem distintas.

O retargeting tem a função de retomar a atração e o engajamento da persona, seja ela um antigo cliente ou alguém que desistiu de comprar. Com uma nova abordagem, ele leva o indivíduo a considerar novamente e efetivar a aquisição de um produto.

Já o remarketing é uma estratégia que divulga a mercadoria ao cliente em canais diferentes de seu clique ou ação de origem, para evitar que seu interesse pelo produto esfrie e facilitar a ação de compra, oferecendo uma segunda oportunidade para concluir a aquisição.

Como fazer um retargeting de sucesso?

É possível aplicar diferentes modelos de retargeting em uma mesma estratégia, com base na origem da ação do usuário. Essa diversidade de medidas confere maior eficiência a ele, afinal, o consumidor que abandona um checkout está em um momento diferente da jornada de compra em relação àquele que simplesmente curtiu uma publicação no Instagram.

Confira os tipos de retargeting mais conhecidos e com melhor aceitação pela audiência:

  • site retargeting: é o tipo clássico, baseado no comportamento do futuro cliente dentro do site;
  • ad retargeting: criação de publicidade destinada a quem já interagiu com um anúncio anterior;
  • e-mail retargeting: formulado a partir do público que demonstrou interesse por algum e-mail marketing da companhia;
  • search retargeting: baseia-se nas ações do usuário nos principais mecanismos de busca e suas palavras-chave;
  • SEO retargeting: é quando a pessoa chega em seu site por meio de outra página. Estuda as ações e palavras que a trouxeram até o seu conteúdo;
  • social retargeting: cria uma campanha baseada em quem clicou nas redes sociais da marca ou interagiu de alguma forma com seus conteúdos.
  • vídeo retargeting: é a ação publicitária específica para aqueles que clicaram ou interagiram com um vídeo, realizando curtidas ou comentários.

Ao adotar qualquer um dos formatos, tenha em mente que a eficiência do retargeting será baseada na estrutura central do seu anúncio. Ele deve possuir um bom copywriting e CTA eficiente, além de criatividade, bons recursos gráficos e uma identidade visual que levem a pessoa novamente a se interessar pelo produto.

Faça a aplicação de testes A/B, para descobrir qual tipo de anúncio conversa melhor com o seu público e oferece melhor custo por clique. Além dessa métrica, utilize outros indicadores que meçam a qualidade da campanha e realize ajustes para otimizar o seu ROI.

Em resumo, para usar o retargeting de forma competente, é preciso trabalhar partindo da premissa de que cada alvo deve receber uma abordagem diferente, personalizando a campanha conforme suas ações e interesses. Assim, você trabalha para reaproximar antigos clientes, melhora o ticket médio dos atuais e converte compradores indecisos — tudo ao mesmo tempo.

Qual é o retorno da estratégia para o negócio?

Grande parte dos clientes não finaliza a compra no primeiro contato com o produto. Se a empresa não utilizar uma estratégia que o mantenha conectado à marca, ela pode cair no esquecimento ou, pior ainda, perdê-lo para o concorrente. O retargeting, assim, ajuda a recuperar parte do tráfego perdido e aumentar as conversões em venda.

Ele reduz, também, os gastos com campanhas — se comparados com publicidades tradicionais — porque busca atrair aqueles que já mostraram algum interesse, em vez de realizar divulgações aleatórias para o público em massa. Com essa hipersegmentação, o custo da campanha e os resultados são mais eficientes.

A adoção da prática também pode impactar o branding da organização. A presença constante nos meios digitais ajuda a melhorar a imagem que o público tem de determinada marca, passando a impressão de ser confiável e moderna.

É importante não cometer o erro de cansar sua persona com uma exposição excessiva de anúncios em sua timeline ou exibição do retargeting, mesmo após ela ter realizado a compra. Essas ações aborrecem e podem gerar o efeito contrário para a força da marca, tanto no meio online quanto no offline.

Como podemos perceber, o retargeting é uma estratégia que pode ajudar a empresa a melhorar o faturamento e manter o público próximo e engajado. Seu custo é pequeno, se comparado a outras formas de anúncio, e faz com que o negócio aproveite ao máximo seus recursos digitais.

Para que isso aconteça, é preciso estruturar bem as campanhas e acompanhar com cuidado os resultados, já que o uso excessivo e inadequado do retargeting pode afetar negativamente a presença da marca. Com um bom planejamento, basta acompanhar os índices e ver os números crescerem.

Quer acompanhar de perto o cenário do marketing digital e permanecer sempre atualizado? Então, aproveite para assinar a nossa newsletter e seja notificado sobre novos conteúdos!