Este artigo, ou um bem similar (que acabou dando origem a este daqui), foi publicado primeiro no Linkedin do Joaquin Presas, nosso diretor, mas não fazia sentido estar postado lá e não ter menção a isso aqui no Blog da Pontodesign, então segue o texto, com algumas poucas alterações.

Nem todos sabem, mas a Pontodesign é uma agência parceira do RD Station, plataforma de Inbound Marketing da Resultados Digitais, que organiza o RD Summit. O Joaquin foi nesse evento pela primeira vez em 2015. No início pequeno, algo que nem despertava atenção, mas agora que é o maior evento de mkt digital da América latina então vale um review né? Segue abaixo, na narrativa e palavras dele:

Serei bem breve com as palavras. Se desejar ver imagens, no instagram da Pontodesign fiz uma cobertura nos stories.

A primeira coisa a mencionar sobre o RD Summit é o tamanho (12.000 pessoas) e a qualidade do evento. O cuidado, atenção e eficiência, o serviço fornecido é sem comparação. É muito superior aos padrões que estamos acostumados no Brasil para eventos com um terço do tamanho. Já disse para ele, mas repito aqui. Sou mega fã do Denis Braguini, Diretor de Live Events da RD.

Entrando no conteúdo, é preciso antes lembrar que em um evento como este, com quase 200 palestras ao longo de 3 dias, acontecendo de forma simultânea em mais de 7 espaços diferentes, cada um tem “a sua versão” do que foi relevante. Além das escolhas de palestras, o momento profissional e o que estava buscando acabam determinando o que marca cada um. A seguir pontuo os meus 3 “take aways” e abaixo coloco algumas frases que me sensibilizaram. Só uma coisa, dei um nome por dar. Não significa que alguém mencionou isso ok?

Humanização do Marketing: A comunicação e o marketing continuam evoluindo, porem agora tentando se humanizar mais. Alguns dizem que é tentar ser mais “politicamente correto”, mas eu não vejo assim. Percebo que a medida que a sociedade muda, que novos valores passam a ser relevante para os indivíduos, as marcas acabam tendo que se adaptar para continuarem ao lado de seus usuários. Por isso vemos cada vez mais expressões como marketing humanizado, comunicação genderless ou ausência de gênero, inclusão e posicionamento das marcas em relação a assuntos que alguns anos atrás eram evitados. Em resumo, pessoas usando negócios como uma força do bem. A Liliane Ferrari fez uma palestra sobre isso e mandou muito bem.

By by Hack: Esse título é um pouco exagerado, mas como nos dois últimos anos o termo “growth hacking” foi o queridinho do RD Summit, faz sentido enfatizar isso.

A verdade é que entendo porque o tal “hack” caiu no gosto do pessoal. O desejo de achar um atalho, a vontade de conseguir mais em menos tempo ou com menos investimento é algo dourado, brilhante e reluzente. Todo mundo quer. Por isso todos que conseguiam um pouco mais que a média já subiam no palco e ensinavam a “forma de hackear isto, hackear aquilo”…

Este ano não vi isso e fiquei feliz. Ninguém subiu lá e disse que acabou o growth hacking ou os hacks Não funcionam mais, mas não vi palestrantes dando “Hacks” ou falando de “growth”. Resumo, penso que como todo mundo usou o mesmo atalho, ele ficou congestionado e Não funciona mais. Sei que todos que usam Waze na cidade, já passaram por isso, então nem vou me aprofundar muito.

Método ACF: Com certeza a perda de eficiência dos hacks fez isto surgir. Denovo, ninguem disse, apenas eu que acho. E não realidade, não é nada de mais, mas dou destaque, pois é algo que SEMPRE acreditamos que era importante aqui na agência.

O tal Método Arroz Com Feijão que uns 5 palestrantes comentaram, nada mais é do que fazer o básico, bem feito, antes de inventar moda ou querer “gourmetizar” as coisas demais.

Sei que vai parecer estranho para alguns eu ir para um evento de tecnologia “super hyper trendy” e voltar dizendo que temos que fazer o básico, mas é interessante perceber que não estamos tão errados e reconfortante ver que o mercado está menos sedento por atalho e mais disposto a fazer o que tem que ser feito, de forma correta. #prontofalei

Como disse, eu tinha 3 take aways para compartilhar, e aí estão. Fora isso, o que segue foram frases que algumas pessoas soltaram e acabei anotando e compartilho aqui. Alguma lembro quem disse, outras não, desculpem.

  • Torture os dados que eles confessam.
  • O otimismo é o que diferencia empreendedores. É importante estar preparado para as oportunidades. Camila Junqueira
  • O cliente deve estar no centro de tudo que fazermos
  • Inbound Marketing evoluiu e os profissionais também, agora é hora de evoluir o relacionamento entre empresas, leads e clientes. Eric Santos
  • Não nascemos digitando e sim falando, a busca por voz é inevitável. Edney Souza (aka @Interney)
  • Amigos influenciam mais que influencers e são eles q nos indicam. Rodrigo Noll
  • Você deve descobrir no que é melhor (escrevendo, gravando, falando) e compartilhar. Qualidade é algo subjetivo e você não deve se afetar pela opinião de outras pessoas. Produza o máximo de conteúdo possível. Gary Vee
  • Grandes ideias geralmente são simples
  • Desacelere para sistematizar, desacelere e construa relacionamento. Ann Handley
  • We all want experiences Jacco vanderKooij

É isso pessoal, encerro comentando a imagem no topo deste artigo. O texto que recebia os visitantes era uma previsão que se confirmou “Eu estava aonde pensava que deveria estar”